terça-feira, 27 de dezembro de 2011

NEM SEMPRE É SUFICIENTE "DERRUBAR O GIGANTE". FELIZ 2012.

Mais um ano terminando, hora de pensar em nossos erros e acertos, ganhos e perdas, fazer um balanço de tudo que passou, e reter o que é bom. Lembrar de cada gigante enfrentado e vencido, de tudo de novo que aprendemos com Deus. Desejo a vc um 2012 ricamente abençoado por Deus, que Jesus te guarde e te guie (salmo 23), e que quando enfrentares os gigantes de 2012, não esqueça que "derrubá-los" nem sempre é suficiente, mas é preciso "cortar a cabeça" também, fechar todas as brechas, (Efésios 4.27) direcionados pela Palavra de Deus, para que esses gigantes não se levantem novamente.

Que Jesus Cristo seja sempre o Senhor e Salvador de tua vida. (Atos 4.12)

Grato pelo apoio e orações. Que Deus, em Cristo te abençoe.
Ev. Alan G. de Sá.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O QUE A BÍBLIA FALA SOBRE A DEPRESSÃO?


A BÍBLIA E A DEPRESSÃO (Salmos 43.1-5; 1 Reis 19.1-7.)


A depressão é muito difícil de definir, porém é muito comum na vida das pessoas. Alguém escreveu que “nunca houve época melhor, em toda história da humanidade, para uma pessoa se sentir infeliz.” Porém a depressão, que já foi chamada de “melancolia” tem sido reconhecida como uma situação comum há mais de três mil anos, em todas as partes do mundo e em todas as idades. Pessoas dos mais diversos níveis culturais já sofreram de depressão.

Depressão é difícil de definir, porque existem vários tipos de depressão e elas não são iguais em quantidade e qualidade, intensidade. Alguém definiu como um transtorno do humor, que influência todo o seu organismo, maneira de pensar e ver a vida. A depressão não é uma única coisa, mas muitas e a maneira que podemos ajudar alguém e nos ajudarmos vai exigir que desenvolvamos uma visão da sua origem, ou seja, o que pode estar causando esse sentimento ou tê-lo causado: É físico, psicológico, espiritual? Bem como precisamos da ajuda de Deus para entender o coração de uma pessoa deprimida.

O nome “depressão” não está na Bíblia. Entretanto, diversas passagens mostram pessoas que estavam em situação que expressaram seus sentimentos de tristeza e esperança: por exemplo, Salmos 69, 88, 102, 43, ou Elias em 1 Rs 19 e seu tratamento dado por Deus. Jeremias também escreveu um livro inteiro sobre lamentações. Jesus no getsêmani e sua angústia. (Mt 26.37-38). Ainda poderíamos citar Jó (Jo 3), Moisés (Nm 11.10-15).  Portanto, não podemos jamais dizer que uma pessoa deprimida esteja possessa por demônios. Não podemos tirar conclusões precipitadas.

A depressão se manifesta através de sentimentos de tristeza, desânimo, desamparo e inutilidade. Além destas podemos citar outras, como: apatia e inércia, que tornam difícil dar o passo inicial de tomar decisões; fadiga geral, acompanhada de perda de energia física e conseqüentemente pode tirar o interesse pelo trabalho, sexo, religião, passatempos; perda de apetite; baixa auto-estima acompanhada de sentimentos de inutilidade e derrota; dificuldade de concentração; Tensão e ansiedade, ansiedade acerca de tudo e acerca de nada afinal, uma ansiedade que não existia antes e sem explicação; Medo. Existe a depressão mascarada, em que a pessoa tem muito dos sintomas citados acima, mas que diz não se sentir triste. Ao ajudar alguma pessoa assim devemos estar atento, pois a pessoa, apesar de estar sorrindo, pode esconder por trás destes sintomas uma raiva reprimida, que a própria pessoa não admite e que, segundo a teoria tradicional, tem como alvo a própria pessoa.

A depressão pode ter diversas causas: físicas, por poucas horas de sono, sedentarismo, efeitos colaterais de medicamentos, doenças, má alimentação, TPM, depressão pós parto. Stress também pode levar a depressão (o stress é tudo aquilo que o homem criou para ele e não conseguiu atender, levando a uma ansiedade grave). Perdas também podem causar depressão: divórcio, morte, de uma oportunidade, de status, de bens. Ira, pecado e culpa. Conflito nos lares, entre pais e filhos, entre os conjugues.  

Seus efeitos podem ser percebidos através de: Infelicidade e ineficiência; Doenças físicas - pois a depressão por uma tristeza que acompanha o luto, por exemplo, tende a diminuir o sistema imunológico do corpo, tornando o nosso organismo aberto a doenças. Uma outra conseqüência é o retraimento e baixa auto estima, e até mesmo, pode levar ao suicídio.

EXISTE MEIO DE AJUDAR ALGUÉM COM DEPRESSÃO?

Sim, mas a melhora de uma pessoa neste estado não é de uma hora para outra.Devemos ter consciência de que não somos profissionais formados na área, e não ter receio de aconselhar alguém nesta situação procurar um profissional da área, um psicólogo. Porém também devemos ter consciência que a igreja deve ter um papel importante para ajudar estas pessoas a se restabelecerem, pois a igreja tem um ministério de consolo e de cura. Podemos ver alguns fatores para aconselhar alguém (ou a nós mesmos):

Doenças físicas: nem sempre a origem é espiritual, pode ser causada por uma enfermidade física. Neste caso, uma consulta e tratamento médico podem ser o suficiente.

Procuramos também entender as outras causas: problemas na família? Estresse? Modo de pensar (Fp 4.8); Ira? Falta de perdão? Hebreus fala da raiz de amargura, que perturba e contamina outros (Hebreus 12.14-15). Ansiedade?

Podemos também confiar em Deus, lembrando quando ele sempre diz em sua palavra “Não temas”. O fato de termos ciência de que Deus está no controle de tudo, nos traz esperança e confiança, mesmo diante das calamidades.  Porém não é pelo fato de crer em Deus que não esteja sujeito a tristezas. Devemos ter consciência de encontrar dificuldades na vida, devemos ser realistas em relação a ela. Jesus no Getsêmani, por exemplo, na tristeza, confiou no Pai e não se desesperou quando foi enfrentar seu sofrimento. Devemos entender sobre o que a Bíblia fala sobre o perdão.

Este tema, “depressão”, é muito complexo por isto incentivamos aos irmãos e leitores a lerem e ouvirem mais sobre o assunto, e entender o que a palavra de Deus diz a respeito deste tema, e como estas pessoas superaram isto.

Deus continue vos abençoando.

Ev. Alan
www.manejandobemapalavradaverdade.blogspot.com
www.evangelismoitaquerao.blogspot.com

Bibliografia:

White, John. As mascaras da melancolia. ABU editora.

COLLINS, Gary. Aconselhamento Cristão edição século 21. Vida Nova.


quarta-feira, 26 de outubro de 2011

O DISCIPULO E O DEVER DE EVANGELIZAR


: O Discípulo fazendo discípulos (o dever de evangelizar)

Objetivo: Conscientizar o Novo Discipulo de Cristo da importância dessa ordenança do Senhor, para que continue propagando a mensagem do evangelho, alcançando assim, vidas que serão salvas pelo Senhor.
                Quando o Senhor Jesus ressuscitou dos mortos e antes de retornar aos céus, ele deixou para os seus discipulos, não só daquela época, mas de todas as gerações, a seguinte ordenança: "E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura." (Mc 16.15). É a missão da igreja, chamada de "a grande comissão", repetida outras vezes no Novo Testamento (Mt 28.18-20; Mc 16.15; Lc 24.47; At 1.8).  Evangelismo e Missões sempre foram, sob a orientação e capacitação do Espirito Santo, o meio que a mensagem do evangelho, das "boas novas de salvação em Jesus Cristo", alcançaram os perdidos e transformaram os pecadores em filhos de Deus (Jo 1.12). Qual o significado de Evangelismo e Missões?

QUAL O SIGNIFICADO DE EVANGELISMO E MISSÕES?

                Podemos definir o evangelismo como o uso da Palavra de Deus, com a intenção de ganhar almas para Cristo, em todos os lugares. É uma responsabilidade não só do Pastor ou dos obreiros, mas de todos os crentes, pois "Como pois invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão se não há quem pregue?" (Rm 10.14). Anunciamos o Senhor Jesus Cristo e a salvação nele pois não há outro meio de salvação fora de sua pessoa (Jo 3.16; 14.6; At 4.12; Rm 5.8; 6.23). A Convenção de Lausanne do Congresso Internacional de Evangelismo Mundial (1974), definiu assim o termo "evangelismo":
Mas o evangelismo em si é a proclamação do Cristo histórico e bíblico como Salvador e Senhor, com a finalidade de persuadir as pessoas a ir a Ele pessoalmente e, assim, serem reconciliadas com Deus. Ao fazermos o convite do Evangelho não temos a liberdade de encobrir o discipulado.
                Podemos dizer que "missões" é quando levamos esta mensagem para lugares cujas pessoas não conhecem Jesus, com a intenção de criar novas comunidades de crentes naquela localidade, a igreja, onde estarão em comunhão, crescendo no conhecimento e na graça do Senhor Jesus Cristo. A isso, chamamos de discipulado:
"Jesus ainda chama todos os que o seguem a negarem –se a si mesmos, tomarem a cruz e identificarem-se com sua nova comunidade. Os resultados do evangelismo incluem a obediência a Cristo, a união com sua Igreja e o serviço responsável no mundo."
(ELWELL, pp. 382,383)
                EVANGELISMO É UM ATO DE AMOR E SÓ NÓS PODEMOS FAZÊ-LO! Os anojs desejam realizar esta tarefa, mas apenas nós podemos realizá-la, pois apenas os que receberam a Cristo e tem certeza de fé e salvação nele é que podem realizar esta tarefa (leia Atos 10.5,6).
                A Mensagem do Evangelho é muitas vezes chamada de QUERIGMA. QUERIGMA (Khrugma), quer dizer “Aquilo que é proclamado por um arauto, proclamação, pregação”. O Assunto central desta proclamação está resumido nas palavras de Paulo:
“Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, (...) foi sepultado, e (...) ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras”. (1 Coríntios 15.3,4)

NÓS TEMOS AS BOAS-NOVAS EM UMA SOCIEDADE RECHEADA DE MÁS NOVAS.
O Evangelho é um fato, então fale com simplicidade.
O Evangelho é um fato alegre, então fale com alegria.
O Evangelho é um fato que gera confiança, então fale com confiança.
O Evangelho é um fato de difícil compreensão para muitos, então fale com ilustração.
O Evangelho é um fato sobre uma Pessoa, então pregue Cristo.
CRISTO é o núcleo da teologia do evangelismo, por isso nós o pregamos crucificado.
(PAUL, pp. 10,11).

ONDE E COMO PODEMOS EVANGELIZAR?

                Não é em todos os lugares que podemos fazer culto e pregações, mas podemos falar individualmente com as pessoas. Pode ser no trabalho, na condução entregando folhetos ou em uma convesa, na escola, hospitais e presidios (com a devida autorização destas instituições), na vizinhança. Porém, pode ocorrer também a dificuldade em falar sobre a mensagem, então, antes de pregar com Palavras, preguemos com nossa própria vida. Um bom testemunho cristão é fundamental (João 13.34,35; 2 Co 3.3,4). O evangelista deve ser uma pessoa que teve a experiência da salvação, uma pessoa que ora e lê a Palavra de Deus (2 Tm 2.15). A seguir, algumas orientações e cuidados que devemos ter quando fazemos o evangelismo pessoal (1 Pedro 3.15):

OS SETE PECADOS CAPITAIS DO EVANGELISMO PESSOAL
1º IMPROVISAÇÃO:
“Na hora Deus me dá a Palavra”.
Devemos estar sempre preparados. (1 Pe 3.15)
Devemos Santificar a Cristo como Senhor, em 1º lugar em nosso coração;
Devemos também nos dedicar ao estudo da Palavra de Deus e do mundo ao nosso redor.
Vejamos o exemplo de Jesus. Ele estava pronto para falar com todo tipo de pessoa.
Porém outro extremo é o excesso de planejamento. Todo planejamento deve ser apresentado diante de Deus.
2º IMPACIÊNCIA: Devemos ter mansidão e temor (1 Pe 3.15).
Mansidão: Biblicamente é aquele que exerce o auto controle. Jesus era manso, e quando se irou, se irou com controle; Ele sabia o que estava fazendo.
Vejamos o exemplo de Pedro:
Nos Evangelhos: Era Impulsivo;
Em Atos: Era cometido (líder)
Cartas: Paciente (ancião)
1 Pe 5.7: “Lançai sobre ele toda
A vossa ansiedade”.
“TODOS NÓS PASSAMOS POR ESTAS FASES”
"DEUS TEVE E TEM PACIÊNCIA EM RELAÇÃO A NÓS”
2 Coríntios 12.2: “Paulo escreve pelo menos quatro cartas a esta igreja problemática”
“Portanto o Evangelista deve ser manso, paciente e ter temor”

3º PREPOTÊNCIA: Arrogância, Altivez. (1 Tm 6.17): “Não sejais altivos”
Não se pode dizer: “Eu tenho Jesus, você vai para o inferno.”
Isso é errado. Jesus não era altivo.
Nunca devemos fazer isso, nem quando formos fazer visita em lares ou enfermos.

4º ANTIPATIA: É você não se colocar no lugar do outro. O oposto é a empatia.(At 17.16)
Existem pessoas que fazem evangelismo não por amor as almas, mas por causa do galardão. Faça por amor as almas.

 5ª DESPREPARO(2 Tm 2.15,16):
“Não fomos chamados para contender,
Mas para pregar a palavra de Deus”

6ºDESCONTINUIDADE (Jo 4.37; 15.8; 1 Co 3.6-9):
Começar a evangelizar a pessoa. Deve haver alguém que dará essa continuidade. É importante o trabalho de visita nos lares e de discipulado.

7º TESTEMUNHO (I Co 10.32; II Co 3.2,3; 1 Pe 3.15,16)
"Pregue o Evangelho sempre, se (quando) necessário, use palavras."

                Além disso, existem três chaves para um evangelismo eficaz. São elas:

1ª) O ESPÍRITO SANTO (João 16. 7-11)
“Não ouse evangelizar se você não tem certeza que ele está te direcionando”
* Atos 1.8, 2.1ss: Precisamos do Poder do Espírito Santo, ser batizados com Ele para testemunhar com eficácia.
* Evangelismo, é antes de tudo, uma atitude espiritual, lutamos contra as trevas (Mc 4.35; 5.1,2-19,20; 2 Co 4.3,4)
2ª) AS PROFECIAS BÍBLICAS
(Atos 28.23)
* O que diferencia a Bíblia dos outros livros é a profecia (Is 46.9,10)
* As profecias Falam ao intelecto, provam que realmente a Bíblia é um livro inspirado por Deus. (Atos 8. 26-35; 2 Pe 1.19-21)
3º) A LEI MORAL DE DEUS
(Atos 28.23; Rm 7.9,10, 12; Gl 3.22-24)
* Enquanto as profecias falam ao intelecto, a Lei moral de Deus fala a nossa consciência. Ninguém pode dizer: “Estou bem. Não preciso de Deus.” “Já tenho bens materiais, dinheiro, saúde, meu casamento está bem...”
* A Graça de Deus não será Maravilhosa se a humanidade não perceber o seu estado pecaminoso de rebelião contra Deus.
* Devemos pregar a verdade para as pessoas com amor, mas a verdade, senão Deus cobrará de nós (Mt 7.21-23).

O SER HUMANO NÃO É PECADOR PORQUE PECA, ELE PECA PORQUE É UM PECADOR(Romanos 3.23,24).

Charles Spurgeon, conhecido como o príncipe dos pregadores dizia:
“Eu não creio que homem algum possa pregar o evangelho sem pregar a Lei. A Lei é a agulha. Não se consegue passar o fio de lã do evangelho pelo coração de uma pessoa sem NÃO SEJA DURO INCISIVO 
AO EVANGELIZAR!!!MOSTRE QUE TODOS PECARAM E NÃO SÓ A PESSOA EVANGELIZADA!!!

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito,
Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.
Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.”
João 3.16-18.

CONCLUSÃO
                Agora que aprendemos o que a Bíblia fala sobre evangelismo, vamos praticar? Ore por alguém que você saiba que ainda não conhece Jesus Cristo, e precisa recebê-lo como Senhor e Salvador. Peça a Deus oportunidade e sabedoria para testemunhar sobre Cristo. Se desejar, conheça o departamento de evangelismo e discipulado de sua igreja e se sentir o chamado, faça dele parte, e compartilhe a alegria das boas novas de salvação em Cristo Jesus!


REFERÊNCIAS:
TEOLOGIA BÍBLICA DE MISSÕES. G. W. Peters. Ed. CPAD.
DICIONÁRIO VINE. Editora CPAD.
PLANO MESTRE DE EVANGELISMO PESSOAL. Robert E. Coleman. Ed. CPAD;
EVANGELISMO POR FOGO. Reinhard Bonke. CFAN
NOÇÕES DO GREGO BÍBLICO. Ed. Vida Nova.
anotações pessoais da aula do Prof. Sérgio, Faesp.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Satanás: O que a Bíblia fala sobre ele?


LIÇÃO 23: Satanás: O que a Bíblia fala sobre nosso inimigo espiritual.

Objetivo: Mostrar a realidade da existência de nosso inimigo espiritual, e as orientações bíblicas para não dar oportunidade para ele agir em nossas vidas.


                Esta carta foi escrita pelo apóstolo Paulo aos cristãos de Éfeso, que era o mais importante centro comercial da Ásia Menor (atual Turquia). Além de possuir um comércio regional importante e possuir um belo porto natural, a cidade de Éfeso possuía um magnífico templo da deusa Ártemis (Diana para os romanos), conhecido no mundo da época como um centro de adoração pagã e de artes mágicas (At 19.35). Da prisão de Paulo em Roma (provavelmente no ano 60 d.C, ver Atos 28.16-31), dentre outras coisas, Paulo enfatiza sobre os recursos espirituais que os crentes receberam a fim de cumprirem o propósito final de Deus para sua Igreja: oferecer honra e glória ao seu Santo Nome (ver o Capítulo 1 de Éfesios). Em seguida, ele explica como Deus reconciliou os crentes consigo mesmo e uns com os outros como membros do Corpo de Cristo, a Igreja (Efésios capítulos 2 e 3). O apóstolo Paulo também exorta os crentes de Éfeso a permanecerem nesses recursos para assim viverem em amor e unidade crescente uns com os outros em comunhão na igreja, na família e na arena da batalha espiritual (ver os capítulos 4 ao 6 de Efésios).
                Portanto, é para crentes que Paulo inspirado por Deus traz à Igreja a seguinte exortação: “Não deis lugar ao diabo” (Ef. 4.27).

O QUE SIGNIFICA “DAR LUGAR”?

                “Dar lugar” é uma linguagem metafórica que quer dizer “dar ocasião” ou “dar oportunidade” para algo ou alguém. E baseado no capítulo 4 de Efésios, bem como em outros textos das Escrituras, podemos definir que damos ocasião ou oportunidade para o diabo agir em nossas vidas quando deixamos de levar a Palavra de Deus a sério. Quando deixamos de andar em santidade, de acordo com os ensinamentos da Palavra do Senhor para nossas vidas. Agindo assim, saímos da posição de crentes em Cristo Jesus e damos oportunidade, damos ocasião para um agir do inimigo contra nós.

NÃO DEVEMOS SUBESTIMAR NOSSO ADVERSÁRIO. QUEM É ELE?

“Satanás tá derrotado”, “Satanás esta debaixo dos nossos pés” e outras afirmações semelhantes a estas são afirmações triunfalistas que de bíblicas não tem nada. Eu mesmo não quero ter “Satanás debaixo de meus pés”, mas antes quero ter eles firmados na Rocha, que é Jesus Cristo, e é isto que procuro ensinar às pessoas que evangelizo e discípulo. Apesar de Satanás ter sido derrotado por Jesus Cristo na cruz (Colossenses 2.13-15), e de em breve colocar todos os inimigos debaixo dos pés dEle (1 Coríntios 15. 24-27; Salmos 110.1), em nenhum lugar a Bíblia nos incentiva a subestimá-lo. Nem o arcanjo Miguel se atreveu a proferi juízo infamatório contra ele (Judas v.9).
            
    Devemos resistir a ele e sujeitar-nos a Deus (Tiago 4.6-7). Ele anda como leão buscando a quem possa tragar (1 Pedro 5.9). Assim como o leão anda buscando uma presa despercebida para devorar, assim o inimigo anda ao derredor buscando uma pessoa despercebida para através de uma ocasião buscar alguém para tragar e destruir. Ele é enganador, pai da mentira e homicida (João 8.44). Se pedirmos visão espiritual para Deus é possível vermos como ele através da história da humanidade, desde Eva e Adão até os dias de hoje, tem enganado e destruído pessoas de todas as classes sociais, das mais elevadas posições, homens de Deus, líderes de nações, famílias, os bons costumes, a moralidade, lançando toda sorte de novidades para levar as pessoas para longe de Deus e de Cristo. Realmente o “deus deste século” (como ele é chamado) “cegou o entendimento dos incrédulos, para que não lhes resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.” ( 2 Corintios 4.4)

                Ele não age sozinho. Ele possui um reino altamente organizado (Efésios 6.12). É este o ser que nos odeia e quer nos destruir fisicamente e espiritualmente, bem como atoda a humanidade.

PORÉM EXISTE UM QUE TEM “TODO O PODER” E QUE PODE DETÊ-LO: JESUS CRISTO, O SENHOR.

“Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo.” (1 João 3.8)

                A mensagem do evangelho de Jesus Cristo é poderosa e libertadora, pois através do perdão dos pecados em Jesus Cristo, Deus nos “abre os olhos e nos converte das trevas para a luz e da potestade de Satanás a Deus, a fim de que recebam eles a remissão de pecados e herança entre os que são santificados” pela fé em Jesus Cristo. (Atos 26.17-18).

                Devemos, como crentes estarmos firmes em Jesus Cristo, revestidos da nossa armadura de Deus (Efésios 6.10-20), bem como ensinar as pessoas que visitamos, evangelizamos e discipulamos a fazerem o mesmo. Pois só assim estaremos na presença do Senhor e não daremos “lugar, ocasião, oportunidade” ao diabo. Amém.

Ev. Alan G. de Sá

O Discípulo de Cristo e a Tentação

LIÇÃO 22: O Discípulo e a tentação

Objetivo: Levar o Novo Discípulo de Cristo a compreender o que é a tentação e que diante dela, ele pode se refugiar em Jesus Cristo, e ter vitória sobre ela.

JESUS É O NOSSO SOCORRO NA HORA DA TENTAÇÃO
(Hb. 2.17-18; 4.14-16)

Essa carta aos Hebreus foi provavelmente escrita para um grupo de cristãos judeus que se reunia em algum domicílio e tinha se separado do corpo central de cristãos da localidade que vivia, agora correndo o perigo de retornar ao judaísmo para evitar as perseguições. Eles estavam sendo tentados a se apostatar, a se afastarem da fé em Jesus Cristo. Porém, o autor dessa carta não só mostra que Jesus é maior que o judaísmo, seus principais fundadores e suas instituições, mas que Jesus é o nosso socorro na tentação.
A tentação faz parte da vida de todos nós. Todos estamos sujeitos a ela, do maior ao menor, do rico ao pobre, ao pastor e ao membro, a mim e a você leitor.

Mas o que é Tentação?

“Tentação” vem do hebraico “Massah” (teste, provação) e do grego “Peirasmós” (Teste, prova), e peirázo, (testar, submeter à prova). É quando o nosso amor a Deus e à sua palavra é testado, podendo ter origem em nossa “carne”, nossa natureza corrompida pelo pecado (Tg 1.13-15) ou do próprio diabo (Mt 4.3 o chama de “tentador”).
Entretanto, a tentação não é pecado, mas PECADO, é ceder a tentação. Agostinho, pai da igreja disse: “A função do inimigo é sugestionar, mas a do cristão, é não ceder.”
A Palavra de Deus nos mostra que diante da tentação temos duas escolhas: Ou ceder diante dela, dando à luz ao pecado e conseqüentemente, se não houver arrependimento, levando à condenação e a morte, ou corrermos ao trono da graça, onde está Jesus Cristo, nosso Sumo Sacerdote, eterno redentor e intercessor nos céus, que, “como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hb 4.15, 5.1), e que se compadece das nossas fraquezas, sendo o nosso socorro na tentação.
Jesus Cristo, mesmo sendo Deus, Ele consumou toda a sua obra redentora, seu ministério terrestre como homem, cheio do Espírito Santo, para ser nosso representante, nosso intercessor entre Deus e os homens (1 Tm 2.5). E ele, como homem, O Cristo, O Messias (Ungido) usou três meios durante todo o seu ministério e são através deles que Ele nos socorre na hora da tentação.

I - JESUS NOS SOCORRE NA TENTAÇÃO ATRAVÉS DO ESPÍRITO SANTO.

Jesus era cheio do Espírito Santo (Lc 4.1,18). Ele foi conduzido pelo Espírito ao deserto a através do deserto, durante a sua tentação pelo diabo. Nosso salvador esteve sustentado pelo Espírito durante toda a sua obra Redentora (Hb 9.14). Por meio do Espírito Santo Jesus pôde dizer “está consumado” e entregar seu espírito ao Pai.
Ao subir aos céus, Jesus enviou o seu Espírito Santo para nos guiar em toda a verdade (Jo 16.13). Jesus Cristo é a verdade (João 14.6). A Palavra de Deus é a verdade (Jo 17.17). O Espírito Santo sempre nos levará a Jesus Cristo e à Sua Palavra.
Portanto devemos andar no Espírito (Gl 5.16), isto é, deixar que Ele nos guie em todas as áreas da nossa vida, de acordo com a vontade de Jesus, e assim não cumpriremos os desejos desenfreados da nossa carne, da nossa natureza pecaminosa, livrando-nos da tentação e do pecado.
O Espírito nos auxilia na hora da tentação testificando com nosso Espírito que somos filhos de Deus (Rm 8.14-16), intercedendo por nós com gemidos inexprimíveis, nas nossas fraquezas (Rm 8.26). Quando estamos fracos, e a esperança desvanecendo, ele intercede por nós diante de Deus e testifica dentro de nós que somos seus filhos, nos fazendo lembrar e desejá-lo mais a Ele, e da nossa eterna morada com Jesus Cristo, do que do temporal desejo em satisfazer a nossa carne e ao pecado.
Portanto, vamos nos encher do Espírito (Ef. 5.18)! Deixemos que Ele guie a nossa vida!

II - JESUS NOS SOCORRE NA TENTAÇÃO ATRAVÉS DA NOSSA SUBMISSÃO A PALAVRA DE DEUS. (Mt 4.1-11; Lc 4.1-13).

Jesus era submisso, obediente à Palavra de Deus (Hb 5.8). Respondia à tentação e ao sofrimento sempre confiante na Palavra de Deus. Durante a tentação no deserto nos 40 dias, Jesus respondeu ao diabo em cada tentação usando textos de Deuteronômio Cap. 6-8 que, conforme a tradição judaica são os capítulos do amor à Deus, tendo como texto base Dt 6.5, que diz: “Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder.” O amor de Jesus Cristo à Deus, foi testado ao máximo.

Jesus disse: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra...” (Jo 14.23). Em guardar a Palavra de Deus, demonstramos amor a Jesus Cristo e teremos refúgio, socorro na tentação! Lutero, O grande reformador alemão, falando de sua teologia, disse: “Não aprendi a minha teologia toda de uma vez, mas tive de buscá-la a fundo onde minhas tentações me levaram. Não é a compreensão, a leitura ou a especulação que fazem um teólogo, mas o viver, o morrer, e, se necessário, o ser condenado”. Ele, assim como nós devemos fazer, buscava refúgio na Palavra de Deus diante das suas tentações.
O Pão (Mt 4.4): Jesus amava a Deus de todo o coração? Ou usaria seu poder para satisfazer a sua necessidade? Seus desejos interiores seriam submissos a Palavra de Deus?
O Pináculo do templo: Jesus amava a Deus com toda a sua alma, ou seja, com toda a sua vida? Ainda o inimigo usou a Palavra distorcida contra Jesus.
Diante das riquezas fáceis deste mundo, Jesus amaria a Deus com todas a suas forças?
Nós também somos assim tentados em cada uma dessas áreas em nossas vidas, na submissão aos nossos desejos internos a Palavra de Deus, ou quando nossa vida é posta em risco, ou se para conseguirmos as riquezas deste mundo, venderíamos o nosso amor e a honra, glória que deve ser tributada só a Deus.

III – JESUS NOS SOCORRE NA TENTAÇÃO ATRAVÉS DE NOSSAS ORAÇÕES.

Jesus orava (Lc 5.16). Retirava-se para os desertos para orar. Antes da sua prisão ele orava com intensidade para suportar o sofrimento e a cruz (Lc 22.39-46; Hb 5.7)
Devemos chegar ao trono da graça através de nossas orações dirigidas a Jesus Cristo. E por ele compadecer-se das nossas fraquezas, alcançarmos graça e misericórdia na tentação (Hb 4.15-16).
Discípulos de Jesus Cristo, não esqueçamos jamais que aqui neste mundo sempre enfrentaremos tentações, mas sempre o Filho de Deus, Jesus Cristo será sempre nosso socorro na tentação. Amém.
  
Por Alan G. de Sá

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...