quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O DISCIPULO E A PALAVRA DE DEUS. Lição 14

LIÇÃO 14: O DISCIPULO E A PALAVRA DE DEUS

OBJETIVO: Mostrar a importância da Palavra de Deus para a vida espiritual do discipulo de Jesus e para sua vida em sociedade, pois a Palavra de Deus não serve apenas para trazer-nos conhecimento sobre Deus, mas trazer-nos mudança de vida, tanto pessoal como em sociedade.

                Texto base Samo 119.89-96.
                Toda a experiência de alguém que foi levado até Cristo, apesar de ter sido diferente na vida de cada um de nós, quando observadas veremos que a Bíblia sempre tem a sua participação; ela sempre está presente. Precisamos entender a sua importância para todos nós que seguimos o Senhor Jesus, que somos os seus discipulos.

O PRIMEIRO CONTATO COM A BÍBLIA

                Apesar de a Bíblia ser um dos livros mais vendidos no mundo, na realidade poucas pessoas de fato tem uma certa intimidade com a Bíblia, e quando tentam se aproximar dela ou acabam tendo dificuldade de usá-la e acabam deixando-a de lado, ou se prendem apenas a alguns textos conhecidos, como o Salmo 23, ou 91, etc e deixam de experimentarem as outras grandes riquezas que a Palavra de Deus possui. Para começarmos a aprender a manusear a Bíblia precisamos saber de algumas informações sobre ela:
                A revelação de Deus escrita na Bíblia foi escrita por cerca de 40 pessoas, em dois idiomas: O hebraico e o grego, sendo que foi o Antigo Testamento em hebraico e o Novo Testamento em grego. Essas pessoas ocuparam posições socias diferentes: algumas eram profetas, outros sacerdotes, alguns eram reis, outros criadores de gado e pastores de ovelhas, pescadores, e viveram em épocas diferentes. Nesse fato reside a grande maravilha da Bíblia: Depois desses 1600 aproximadamente, que é o tempo que foi necessário para que a Bíblia se tornasse do modo que conhecemos, quando a lemos, vemos que a mensagem é uma só: Ela é a revelação da pessoa de Deus e de seu plano redentor pela salvação da humanidade, seu amor pela humanidade caída que  resultou na morte de Seu Filho Jesus Cristo para nos salvar. Qualquer leitura da Bíblia que não seja feita desse ponto de vista, tira todo o significado da Palavra de Deus para a humanidade.

AS DUAS DIVISÕES DA BÍBLIA
                A Bíblia contém duas divisões: O Antigo e o Novo Testamento. Abra sua bíblia e veja essas divisões.
                No Antigo Testamento temos 39 livros, começando em Gênesis e terminando em Malaquias. Neles estão escritos a criação de todas as coisas, a queda do homem, o dilúvio e  a história do povo de Israel. O Velho Testamento tem cinco divisões:
Lei: Os cinco primeiros ivros de Gênesis a Deuteronômio;
Livros Históricos: Os doze livros entre Josué e Ester, que narram a história do povo de Deus, Israel.
Livros Poéticos: São cinco livros, entre Jó e Cantares de Salomão, escritos em forma  poética.
Profetas Maiores: São cinco livros, entre Isaías e Daniel.
Profetas Menores: São doze livros, entre Oséias e Malaquias.

                Eles também contém as profecias dadas por Deus para a preparação da humanidade para a vinda de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

                O Novo Testamento tem 27 livros, divididos assim:

Evangelhos: São quatro entre Mateus e João.
História: O Livro de Atos, que conta o início da igreja e seus primeiros anos, movidos pelo poder e direção do Espírito Santo.
Cartas de Paulo: Os treze livros entre Romanos a Filemon, que foram escritos pelo apóstolo Paulo.
Cartas Gerais: Os oito livros, entre Hebreus e Judas que foram escritos por outros autores.
Livro Profético ou da Revelação: Apocalipse, escrito pelo apóstolo João, conta e revelação dada por Jesus Cristo sobre a Sua segunda vinda e consumação da história da humanidade.

                Para encontrarmos facilmente um texto na Bíblia, foi colocado depois os capítulos e versículos no texto. Essa divisão não faz parte dos textos originais. A Bíblia Sagrada foi dividida em capítulos no século XIII (entre 1234 e 1242), pelo teólogo Stephen Langhton, então Bispo de Canterbury, na Inglaterra, e professor da Universidade de Paris, na França. A divisão do Antigo Testamento em versículos foi estabelecida por estudiosos judeus das Escrituras Sagradas, chamados de massoretas. Com hábitos monásticos e ascéticos, os formulação da gramática hebraica e técnicas didáticas de ensino do texto bíblico. Foram eles que, entre os séculos IX e X, primeiro dividiram o texto hebraico (do Antigo Testamento) em versículos. Influenciado pelo trabalho dos massoretas no Antigo Testamento, um impressor francês chamado Robert d´Etiénne, dividiu o Novo Testamento em versículos no ano de 1551. D´Etiénne morava então em Gênova, na Itália.
USANDO A BÍBLIA NO DIA A DIA
                Devemos ter consciência que o discipulo de Jesus Cristo não pode utilizar a Palavra de Deus só quando vai na igreja. O alimento espiritual do seguidor de Jesus Cristo é a Palavra de Deus (1 Pe 2.2). Demonstramos nosso amor pelo Senhor Jesus, quando temos seus mandamentos e o guardamos (João 14.21-24). Então, devemos buscar a Palavra de Deus também no nosso dia-a-dia, para que nosso crescimento espiritual não ocorra lentamente, ou antes que venhamos a ficar fracos e morrermos espiritualmente.

                Podemos começar pela leitura da Palavra de Deus. É bom começarmos no Novo testamento, pois conta sobre a vida de Jesus e o ensino dos apóstolos. Podemos começar pelo evangelho de João, pois ele mostra o porque da vinda de Jesus Cristo e a necessidade da salvação da humanidade pela fé nele. Depois podemos ir para o Antigo Testamento. Comecemos devagar, porém veremos que com disciplina, acabaremos lendo ela toda, além de sermos edificados espiritualmente.

                A memorização dos versículos. Esse é o próximo passo. Em Mateus capítulo 4, na tentação de Jesus vemos a importância de memorizarmos a Palavra de Deus, pois além de nos ajudar a reter o que está escrito, é de grande importância na hora da necessidade.

                O Estudo. É importante pois nos ajuda a entendermos e pensarmos melhor sobre a Palavra de Deus. Também ajuda-nos a entendermos e defendemos melhor a nossa fé, capacitando-nos a discernir os falsos ensinos contra a Palavra de Deus. É muito importante que além da Bíblia, tenhamos um dicionário bíblico e de português, chave bíblica, bons livros que podem ser adquiridos aos poucos. Podemos elaborar um plano de estudo . começando por personagens bíblicos, ou por assuntos, ou por livros.

                Meditação. A melhor explicação dos benefícios de meditarmos na Palavra esta no Salmo 1. Meditar é Considerar, refeltir sobre algo, ponderar. É neste momento que o Senhor mostra para nós suas profundas verdades e nos abençoa através da aplicação da Palavra em nossa vida.

                Agora que aprendemos estas pequenas porém importantes verdades sobre a Bíblia, vamos praticar? Não podemos esquecer do está escrito em Mateus 7.24-27 e Tiago 1.23-25.

BIBLIOGRAFIA:

Biblia Sagrada, revista e atualizada. SBB.
Discipulado aluno 1, CPAD.
Novos Convertidos, aluno. Betel.
GRAHAM, Billy. O Cristão Fiel. ed. proclamação. 

O DISCIPULO E O CAMINHO DO DISCIPULADO. Lição 13 Curso Para Discipuladores


LIÇÃO 13: O DISCIPULO E O CAMINHO DO DISCIPULADO (Mt 16.24-26; Mc. 8.34-9.7)
Objetivo: Levar o novo discípulo do Senhor Jesus Cristo a compreender que o ser discípulo de Jesus é um caminho de renúncia em muitos momentos, porém a maior recompensa deste caminho é ter o próprio Jesus conosco, ter comunhão com Ele, e vida eterna, não só nesta vida, mas na futura.

Através desta breve mensagem, nos perguntamos: Somos verdadeiros discípulos de Cristo? E se somos, qual é a nossa verdadeira recompensa?

O que é ser um discípulo de Jesus?
É ser seu seguidor, estando aberto para aprender, vivendo sobre a influência de seus ensinos e se esforçando para viver de acordo com seus princípios. Em todas as gerações sempre serão aqueles que responderam “sim” ao chamado de Jesus: “Aprendei de Mim.” (Mt 11.28-30).

I-O VERDADEIRO DISCÍPULO DEVE TER COMPROMISSO COM JESUS CRISTO:
v. 34: “Se alguém quiser vir após mim” (Jesus não obriga, Ele diz “se alguém quiser”, porém é do modo dEle e não nosso. “Vir após mim” significa “andar junto, lado a lado.”
Estar com ele, nele.
João 8.31: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente, sereis meus discípulos.
João 15.1-8: Estai em mim, e eu em vós; (...) nisto é glorificado meu pai que deis muito fruto, e assim sereis meus discípulos.

II-O VERDADEIRO DISCIPULO DE JESUS CRISTO ESTÁ DISPOSTO A ENFRENTAR PERDAS POR AMOR A ELE.
v.34: “ negue-se a si mesmo”
v.35: “Qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do Evangelho.”
O cristão em algumas situações, não terá vitória neste mundo, mas terá de perder para poder ganhar a Cristo. Negar-se significa contradizer a si mesmo, desconsiderando os próprios interesses. O apóstolo Paulo deu este testemunho em Fp 3.3-8

III-O VERDADEIRO DISCÍPULO DE JESUS CRISTO É SUA TESTEMUNHA FIEL MESMO DIANTE DA REPROVAÇÃO DO MUNDO.
V.34: “tome a sua cruz, e siga-me”
v.38: “qualquer que, entre esta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele.
Tomara a cruz: Apenas o criminoso condenado à crucificação levava a cruz às costas até o local de execução em sinal de humilhação e vergonha, sendo humilhado e até hostilizado pelas pessoas, por onde passava.
 Deus vê esta geração como adúltera e pecadora, e o único caminho de salvação é Jesus Cristo. Não podemos nos envergonhar, mas testemunhar da única esperança de Salvação para esta geração, Jesus Cristo, mesmo diante da oposição do mundo.

IV-O VERDADEIRO DISCIPULO DE JESUS CRISTO TERÁ PARA ELE, O PRÓPRIO SENHOR JESUS COMO RECOMPENSA.
Os discípulos passaram aquela semana pensando nas palavras de Jesus. Pedro poderia sentir-se magoado com o Senhor, Pensando: “será que vale a pena, tamanho compromisso com Jesus?” Porém a Palavra de Deus diz:
v. 2: “Seis dias depois”, Jesus os levou para um alto monte mostrando verdadeiramente quem ele é, testificado pela voz do Pai que dizia do céu: v.7: “Este é meu Filho amado, a ele ouvi”
A recompensa para o verdadeiro discípulo de Jesus, é o próprio Senhor Jesus Cristo! Não devemos esperar por nada além dEle!

CONCLUSÃO:
Que nossos corações tenham por objetivo seguir ao Senhor Jesus pelo que Ele é, não pelo que Ele pode fazer por nós, a não ser por ser o nosso Senhor e Salvador, Rei do Universo, o único que perdoa os nossos pecados e que concede vida eterna, porque Jesus Cristo é a recompensa para o discípulo fiel.

Uma breve oração:
Se eu digo que sou um cristão, porém não desejo comprometer-me contigo tomando sobre mim a minha cruz, não sou um verdadeiro discípulo de Cristo;
Se eu digo que sou um cristão, porém não te amo Senhor, mais que meus bens e relacionamentos, ou que os prazeres que este mundo pode me proporcionar, e não colocá-lo acima de tudo, não sou um verdadeiro discípulo de Cristo;
Se eu digo que sou um cristão, mas tenho vergonha de ti e das tuas Palavras que podem salvar o pecador e que dão vida eterna, ou se posso pregar e digo apenas o que as pessoas querem ouvir e não a Palavra de Deus, não sou um verdadeiro discípulo de Cristo.
Que eu possa Senhor, a cada dia, tomar a minha cruz e segui-lo, seja por verdes pastos e águas tranquilas, ou pelo Vale da sombra da morte; Que tu Senhor, ajuda-me a não deixar a minha cruz, mas sim, ser fiel até a morte, para de Ti, receber a coroa da vida, na Tua presença, na eternidade Senhor. Amém.

Ev. Alan G. De Sá

NA ESCOLA DA ORAÇÃO (DESENVOLVENDO UMA VIDA DE COMUNHÃO COM DEUS). Lucas 22.39-46. Liçao 12 Curso para discipuladores

LIÇÃO 12: NA ESCOLA DA ORAÇÃO (DESENVOLVENDO UMA VIDA DE COMUNHÃO COM DEUS). Lucas 22.39-46.

OBJETIVO: Levar o Novo Convertido, mostrando biblicamente, a ter uma vida de oração, conscientizando-o sobre sua importância e valor para sua saúde e crescimento espiritual. Podemos também acrescentar nossos próprios testemunhos de respostas de oração durante nosso discipulado.

                O texto acima fala sobre a oração que Jesus Cristo fez em um dos momentos mais difíceis de seu ministério, que foi pouco antes de sua prisão e consequente crucificação. Podemos ver algumas coisas importantes neste texto sobre a vida de oração de Jesus que devemos aprender e fazer, pois somos seus discípulos, seus seguidores, por exemplo: A oração deve ser costumeira (Lc 22.39) era costume de Jesus orar ali, não apenas de vez em quando; A oração de Jesus era para que Deus fizesse a Sua vontade (Lc 22.42); Devemos orar para não entrar em tentação (Lc 22.46). Os discípulos admiravam a vida de oração de Jesus e pediram que Jesus os ensinasse a orar (Lc 11.1). Mas algumas perguntas vêm a nossa mente e a bíblia nos traz as respostas: O que é oração? Por que orar? Como e onde orar?

O que é oração?
Pode ser definida assim: Oração é a comunicação pessoal com Deus. É uma definição muito ampla, pois abrange tudo, desde nossa oração com pedidos pessoais, intercessão, adoração, até os indicativos da resposta divina para nós.

Por que Deus quer que oremos?
Não oramos para que Deus descubra as nossas necessidades, pois Jesus disse: “... Deus, vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais” (Mateus 6.8). Se a Palavra de Deus diz assim, então por que Deus quer que oremos? Podemos listar três motivos Bíblicos:

A oração exprime nossa confiança em Deus e é um meio pela qual nossa confiança nele pode crescer. Devemos orar com fé em Deus e em seu caráter (Mt 6.9; Lc 11.9-12; Lc 11.13; Mt 21.22; Mc 11.24; Tg 1.6-8; 5.14-15)

Deus quer que o amemos e tenhamos com Ele comunhão. A oração sem dúvia aprofunda a nossa comunhão com Deus, que deseja que o amemos e tenhamos comunhão com ele (Gênesis 5.21-24; Hebreus 11.5-6)

Na oração, Deus permite que nós, suas criaturas, nos envolvamos em atividades de importância eterna. Quando oramos, a obra do reino avança. Dessa forma, a oração oferece-nos a oportunidade de nos envolver de modo significativo, na obra do reino. (Mt 9.38; Lc 18.1-8).

Como e onde Orar?
Podemos orar de joelhos (Efésios 3.14). Muitos consideram esta a melhor maneira de conversar com Deus, pois demonstra humildade, reverência e submissão. Podemos orar de pé (2 Cronicas 20.5,6), Deitado (2 Reis 20.2,3). Podemos orar no templo (Mt 21.13), em particular (Mt 6.6), em família (At 12.5-12). Também podemos lembra que a oração pode ser feita ao levantar-se, ao deitar-se, enfim, em todo tempo (1 Tessalonicenses 5.17).

Deus nos concede vitória através da oração.
Nas tentações (Mateus 4) Jesus é o maior exemplo.
Nas enfermidades e nas dificuldades (Atos 27.34)

NÃO PODEMOS ESQUECER QUE A ORAÇÃO EFICAZ É POSSÍVEL POR INTERMÉDIO DE NOSSO MEDIADOR JESUS CRISTO: 1 Timóteo 2.5; Hb 4.14-16.

Nós podemos orar em nome de Jesus (João 14.13-14; 16.23-24; Ef 5.20). Se nos apresentamos em nome de alguém, isso significa que a outra pessoa nos deu permissão para que nos apresentássemos com a autoridade dela, não com a nossa. Então, dizer “em nome de Jesus” ao final da oração, quer dizer que oramos com a autorização dEle, crendo no seu caráter.

Que sejamos praticantes da oração para nossa edificação espiritual, no templo, em casa com a família, a sós com Deus, demonstrando nosso amor e crescendo em comunhão com Ele.

Ev. Alan

BIBLIOGRAFIA:
Teologia Sistemática, Wayne Grudem.
Discipulado para Novos Convertidos, revista CPAD.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...