segunda-feira, 6 de abril de 2015

CONHECENDO AS LIMITAÇÕES DO TEMPO

CONHECENDO AS LIMITAÇÕES DO TEMPO
Lição 2 – 12 de Abril de 2015.
Após aprendermos sobre como se iniciou o período do cativeiro hebreu, aprenderemos nesta lição sobre as fases da vida de Moisés, desde as suas raízes familiares e crescimento no Egito e mostrar como estes foram fundamentais ao propósito de Deus, os frutos da atitude pessoal de Moisés em relação ao seus chamado e aprenderemos sobre a importância de discernirmos o tempo nos quais estamos inseridos.

1. MOISÉS, ESCOLHIDO PARA SER LIBERTADOR.

Em Atos 7.18-34, vemos no discuros de Estevão diante do sinédrio, um breve resumo da vida de Moisés. Ele passou por três fases significativas em sua vida: No palácio de faraó (Atos 7.21-22); No deserto de Midiã (Atos 7.29) e como líder e libertador do povo de Deus na saída da terra do Egito e rumo a terra prometida (Atos 7.30-38).
1.1 MOISÉS E O TEMPO DA INICIAÇÃO

Antes de ir para o palácio de faraó e ser criado em toda a ciência dos egípicios Moisés foi criado por sua mãe, Joquebede, até que “...sendo o menino já grande, ela o trouxe à filha de Faraó, a qual o adotou; e chamou o seu nome Moisés e disse: Porque das águas o tenho tirado.” (Êxodo 2.10).
Antes que este fosse para o palácio de Faraó, certamente ele foi criado por Joquebede no temor do Senhor. A fé que ela expressou em Deus quando colocou ele no cesto e o colocou no rio, onde é mencionada em Hebreus 11.23, certamente foi compartilhada ao seu filho enquanto esteve com ela.
Sobre este período a Bíblia é silenciosa, mas podemos ter um breve entendimento de sua criação com Joquebede se levarmos em consideração o que diz Flávio Josefo em seu livro
“A História dos Hebreus”, que nos relata que seu nascimento foi predito em sonho para seu pai Anrão, quando este orava ao Senhor pedindo pela misericórdia de Deus para com seu povo, pois ele temia que seu povo fosse exterminado pela ordem de faraó em relação a ordem de matar os meninos hebreus quando estes nascessem. Deus revelo a seus pais tanto o nascimento quanto a obra que por intermédio de seu filho Deus iria realizar . O texto de Atos 7.25 nos dá a impressão de que Moisés cresceu ciente desta revelação dada a seu pai e que no curto período que ficaram juntos ele aprendeu dentro de suas limitações o que seus pais passaram sobre o “Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó” que pessoalmente o chamaria anos mais tarde (Êxodo 3).

1.2. MOISÉS E O TEMPO DA FORMAÇÃO

A palavra de Deus nos relata que Moisés recebeu a melhor educação possível que os egípcios poderiam dar, e isso não o afastou do que deveria ser, ou seja, do plano de Deus para sua vida (Atos 7.21-22; Hebreus 11.24). Ele foi criado como filho da filha de faraó. Segundo Flávio Josefo, ela se chamava Termutis .

É importante ressaltar que o Egito era a maior nação da época. A arqueologia demonstra que nos dias de Moisés já havia uma adiantada cultura militar e literária por todo o Egito. E nada disto impediu o chamado de Deus em sua vida, mas foi muito importante para a obra que Deus iria realizar através dele. Como enfatizou nosso comentarista, “...por fora ele era egípicio, mas, por dentro, havia um hebreu clamando por liberdade e justiça.”

1.3. MOISÉS E O TEMPO DE JUSTIÇA.

Este episódio narrado em Êxodo 2.11 nos mostra que dentro de Moisés havia um senso de justiça e um ódio contra a injustiça que seu povo sofria durante todos esses anos pelos egípicios. Essas injustiças deram a Moisés um senso de Missão. Porém ele não tinha autoridade dos egípicios para corrigir estes males e nem Deus o havia comissionado ainda. Quando agimos por conta própria, enfrentamos dificuldades.

Ao saber que o que ele havia feito contra o egípicio fora descoberto, fugiu para a terra de Midiã, onde seria chamado pelo Senhor quarenta anos depois (Atos 7.30). Ele havia aprendido sobre os egípicios e sobre a aflição e opressão dos hebreus, no entanto o povo não estava pronto para apoiar o seu libertador e nem Moisés estava pronto para cumprir o chamado de Deus em sua vida. No deserto ele teve de esperar o tempo de Deus, para receber a autoridade e as instruções do Senhor. No entanto, sua decisão de ficar do lado do povo de Deus merece toda a atenção (Hebreus 11.24-25).

2. DA RIQUEZA DO PALÁCIO À ESCASSEZ DO DESERTO.

2.1.ASSENTADO JUNTO AO POÇO.

 Assentado junto ao poço (Êxodo 2.15), na terra de Midiã, cremos que Moisés não entendia o que se passava e podia até mesmo pensar que não poderia mais retornar ao Egito e ser usado por Deus em favor de Israel. No entanto Deus direcionava sua vida, e alí na terra de Midiã uma nova fase de sua vida se iniciava.

2.2. EGÍPCIO OU HEBREU.

Êxodo 2.19. É impressionante os misteriosos caminhos de Deus. No deserto Deus o usaria para guiar o seu povo até a terra prometida. No entanto ali, ele não seria mais Moisés “o egípcio”, mas Moisés “o Hebreu”, de fato quem ele realmente era. No tempo oportuno ele voltaria comissionado por Deus e revestido de sua autoridade como o libertador de seu povo (Êxodo 4.16). Isto se deu quarenta anos depois.

2.3 CONFORTADO PELO SENHOR.

Os midianitas eram descendentes de Quetura e Abraão (Gn 25.1-4). Habitavam nas redondezas do monte Sinai, na península do Sinai a leste do Egito, do outro lado do mar Vermelho. Esta montanha também era conhecida por “Horebe” (Êxodo 3.1). Deus confortou o seu servo dando-lhe uma família. Deus se preocupa conosco e cuida de nós. Reuel, também conhecido como Jetro em outras partes do texto (Êxodo 3.1, 4.12), significa “amigo de Deus”. Este lhe deu como esposa uma de suas sete, Zípora. O nome de seus dois filhos demonstra o entendimento que ele tinha daquela fase de sua vida: Gérson e Eliézer (Êxodo 18.2-4).

É importante entendermos que durante o tempo em que Moisés estava em Midiã, sendo preparado por Deus e aprendendo as disciplinas do deserto, o povo de Israel sentia mais intensamente o peso da escravidão (Êxodo 2.23) “suspiraram por causa da servidão e clamaram”. Eles mantinham o povo sobre cruel servidão.

Deus só execultou a libertação de seu povo quando o povo e Moisés estivessem prontos. A escravidão no Egito uniu o povo de Israel no desejo por liberdade e na consciência de que apenas Deus poderia livrá-lo.

3. O TEMPO E SEUS ENSINAMENTOS.

3.1. ENTENDENDO A VONTADE DE SEUS.
             Deus tem um plano para cada um de nós e deseja que nós saibamos qual é. Todo servo de Deus que foi usado por ele, entendeu a vontade do Senhor em sua vida. Podemos citar como exemplo, além do próprio Moisés, Abraão, Elias, David, Jeremias, Pedro e Paulo, entre outros. Precisamos entender a vontade do Senhor para que possamos experimentá-la. Ela é boa, perfeita e agradável (Romanos 12.2). Porém precisamos entender que existe o seu tempo para que seus planos se cumpram em nossa vida, cabendo a nós demonstrarmos a nossa confiança no Senhor e em suas promessas permanecendo firmes em sua presença.

3.2 ENTENDENDO O TEMPO DE DEUS.
             Quando entendemos o tempo de Deus, aproveitamos melhor as fases que Ele nos permite passar. Quando chegou o tempo de Deus na vida de Moisés, o Senhor em pessoa confirmou que aquela era a hora (Atos 7.34). No entanto enquanto ele tentou agir por si mesmo quase pôs tudo a perder. Quantos ministérios começaram errados e não prosperaram por que não esperaram o tempo de Deus, ou simplesmente agiram sem Deus têm los chamados! Todo sucesso ministerial verdadeiro está condicionado à uma total submissão a Deus, que confirma no seu tempo com autoridade celestial.
3.3. ENTENDENDO O PREPARO DE DEUS.
          O Tempo de Deus não é apenas um tempo de espera passiva, mas também um tempo de preparação, onde somos preparados pelo Senhor para vivermos o que Ele tem para nós. Devemos ter isso em mente que no aparente silêncio do Senhor, ele falava e agia poderosamente não só na vida de Moisés, mas na vida do próprio povo ao qual ele seria enviado.
         Não era apenas Moisés que passava por um deserto mas o povo de Israel também passava pelo “deserto” do cativeiro e da opressão. Quando o povo clamou a Deus por causa da servidão que viviam, diz a palavra que “...ouviu Deus o seu gemido e lembrou se Deus do seu concerto com Abraão, com Isaque e com Jacó.” (Êxodo 2.24).

CONCLUSÃO

Que esses ensinamentos sobre as fases da vida de Moisés nos façam aprender que Deus cuida de cada fase de nossa vida e que viveremos o que Ele tem para nós quando o desejarmos mais do que as suas próprias promessas. Assim, permaneceremos na presença do Senhor passando pelo teste do tempo.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...